Blog

Ar-condicionado precisa ‘só’ de recarga de gás? Solução não é tão simples

Sistema de ar-condicionado é selado: necessidade de reposição do gás indica existência de vazamento, cujo reparo pode custar caro

Quem procura um carro usado, mas bem-equipado, às vezes se depara com os seguintes dizeres em anúncios classificados: “o ar-condicionado funciona, só precisa de uma recarga de gás”.

Como tal problema é aparentemente simples de ser resolvido, o negócio pode parecer tentador se, no mais, o veículo estiver em ordem. Mas não é bem assim: provavelmente, o aparelho necessita de um serviço bem mais complexo (e caro) que o anunciado pelo vendedor.

Acontece que o gás que faz o ar-condicionado funcionar circula em um circuito selado e, por isso, se mantém constante: a necessidade de recarga é um sinal claro de vazamento.

O gás refrigerante mais comum em sistemas de climatização automotivos é o do tipo R134a, inofensivo a camada de ozônio. Ao circular por serpentinas e trocadores de calor, ele absorve as altas temperaturas do habitáculo.

O engenheiro metalúrgico e mestre em materiais Marco Colosio, diretor da SAE Brasil, explica que o sistema de ar-condicionado automotivo é preenchido com um volume de carga de gás especificado pelo fabricante. “Quando (um vazamento de gás) é detectado, trata-se de algum componente de vedação danificado”, sintetiza.

O que faz com que os vendedores minimizem o defeito é que, mesmo quando há falta de gás no sistema, o compressor do ar-condicionado pode continuar funcionando, mas sem eficiência de refrigeração.

Nesses casos, repor o elemento refrigerante até faz com que o aparelho funcione; porém, apenas por pouco tempo. Após alguns dias, a substância terá escapado por completo. Consequentemente, o equipamento torna-se novamente incapaz de climatizar o veículo.

Necessidade de recarga de gás pode exigir serviço complexo no ar-condicionado

A dificuldade em estancar uma fuga de gás no ar-condicionado decorre da complexidade do sistema. É porque existem diversos pontos sensíveis a danos: “podem ocorrer vazamentos em vedações dos anéis de borracha e no condensador, nas mangueiras do evaporador ou em juntas de solda com defeitos de processo”, esclarece Colosio.

Segundo o engenheiro, material defeituoso, falta de manutenção periódica ou simplesmente o tempo de uso do aparelho são causas comuns de desgaste.

E não para por aí: o especialista da SAE aponta outras possíveis causas de defeitos no aparelho de ar-condicionado. “Também podem ocorrer falhas na válvula do ar quente, nas válvulas termostáticas do radiador, no radiador do ar quente e nos cabos de acionamento da válvula do ar quente”, adverte.

Para diagnosticar o problema, é necessário utilizar uma máquina de reciclagem de ar e também uma lâmpada ultra-violeta, capaz localizar o contraste adicionado junto à carga de gás. A assistência técnica adequada, com aparelhos específicos e mão-de obra especializada, representa custo para o consumidor.

O reparo pode incluir troca de peças e desmontagem de componentes. Desse modo, o valor varia bastante dependendo do modelo do carro e do local por onde o gás estiver vazando.

No fim das contas, o que era para ser apenas uma recarga de gás do ar-condicionado pode se revelar um serviço trabalhoso. Em geral, quanto mais complexo é o conserto, maior o prejuízo para o dono do carro.

Fonte: Autopapo Uol

function gtag_report_conversion(url) { var callback = function () { if (typeof(url) != 'undefined') { window.location = url; } }; gtag('event', 'conversion', { 'send_to': 'AW-790848342/bQe1CP_xtawBENbGjfkC', 'event_callback': callback }); return false; } (function(w,d,t,u,n,a,m){w['MauticTrackingObject']=n; w[n]=w[n]||function(){(w[n].q=w[n].q||[]).push(arguments)},a=d.createElement(t), m=d.getElementsByTagName(t)[0];a.async=1;a.src=u;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://conteudo.k11.com.br/mtc.js','mt'); mt('send', 'pageview'); $( document ).ready(function() { $('.mf-notification-iframe-bottom-left').ready(function() { setTimeout(function() { $('.mf-notification-iframe-bottom-left').contents().on('click', '#mauticform_input_formulariolandingpagecatalogok11_focus_baixe_o_catalogo', function() { gtag_report_conversion(); }); }, 5000); }); $('#mauticform_input_formulariok11contato_submit').on('click', function() { gtag_report_conversion(); }); });